sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A madrugada é dos poetas das putas e dos que morrem de amor.



“A noite é dos poetas 
das putas
e dos que morrem de amor.”

— Neilla Albertina.

Troquei uma palavra nos versos da poetiza para que se encaixasse mais em mim. Arte é assim, ganha o mundo e se adapta à realidade dos outros.

Ainda não disse por aqui, mas a madrugada sempre foi íntima da minha inspiração. Comecei a escrever por insônia e me pus a exorcizar meus demônios no papel em busca de sossego mental suficiente para dormir. Mas isso não vem ao caso, ou melhor, não é o tema de hoje.

Não ando dormindo muito cedo, não estou com insônia, são coisas diferentes. O meu organismo é do típico poeta/escritor/vagabundo, se pudesse, eu dormia tarde e acordava tarde todo dia, mas não é tão simples assim...

Mas o que diabos você quer dizer, Saulo?
Primeiramente, que é assim que minha mente funciona. Penso em algo e se me deixar levar, vou ramificando as ideias e me perco. Este é um dos meus maiores problemas como leitor/autor, inclusive, foi o que me impediu de gostar de ler quando criança. Perder o foco com facilidade, mas, novamente, não é sobre isso que quero falar hoje.

O que gostaria de expor a vocês é o fato de que as madrugadas andam me inspirando e me dando vontade de deixar os pensamentos se perderem, não por completo, só quero deixar alguns devaneios tomarem forma.

Cada um tem o seu próprio processo criativo, eu, geralmente, tenho uma ideia para conto ou livro. Fico algum tempo pensando nela e acabo montando um esquema mental antes de colocar qualquer coisa no papel.

Desta vez foi diferente. Tive a ideia e logo em seguida escrevi uma possível primeira cena e depois escrevi uma sinopse. Isso mesmo, uma sinopse de um livro que não existe. Kkk

Bom, ando ouvindo sobre sair da minha zona de conforto. E estou pensando seriamente em escrever um livro fora do meu estilo. Uma sátira hot em primeira pessoa. Nunca escrevi nada em primeira pessoa, já escrevi contos e usei cenas hots, mas não tinha pensado em um livro nesta área.

Não vou explicar exatamente qual a minha ideia e o roteiro que já está fervilhando na minha mente, vou deixar a sinopse aqui. Vai que alguém gosta e eu acabo escrevendo, ainda que por pura inspiração da madrugada.


O Cara do Calendário

Este livro não vai mudar a sua vida, não te levará a profundas reflexões ou curar qualquer merda de fossa que esteja passando. É só o livro sobre a missão idiota de um cara qualquer.
É só a minha saga tentando comer 12 mulheres em um ano.
Se achou a sinopse pesada por alguns palavrões ou pelo tema, pode voltar com a porra do livro pra estante...
A quem eu estou tentando enganar. Esta bosta jamais será publicada, sempre será um e-book independente. Então, se tem conta Premium, faça o download e leia minhas desventuras enquanto passo pela crise dos 30 percorrendo camas de desconhecidas. Ou tentando, pelo menos.
Ah se você acha que 12 em um ano é coisa fácil, vai se foder. Nem todo mundo é o Mr. Catra e eu sou só um cara que saiu de um relacionamento de quase 8 anos e tem que voltar à ativa.

4 comentários:

  1. como vim parar aqui?, Realmente Noite desperta coisas Interessantes, e alias... Gostei da Sinopse, me lembrou o: Clube da Luta.

    ResponderExcluir